Main Ad

Moraes usa dados de outra pessoa para manter pastor preso por 8 de Janeiro

PGR pediu soltura do pastor Jorge Luis dos Santos e afirmou que antecedentes criminais enviados do TRF-1 para o STF eram de um homônimo - Foto: Divulgação


O ministro do STF Alexandre de Moraes usou informações de antecedentes criminais de uma outra pessoa para manter a prisão do pastor Jorge Luis dos Santos, de 69 anos, detido pelo 8 de Janeiro. Essa outra pessoa tem o mesmo nome do pastor, mas tem 59 anos.

Por essa razão que a PGR (Procuradoria Geral da República) havia pedido a soltura do pastor na 2ª feira (29.jan.2024). Disse que os antecedentes criminais enviados pelo TRF-1 (Tribunal Regional da 1ª Região) eram, na realidade, de um homônimo –pessoa com o mesmo nome que Jorge Luis. Leia a íntegra da manifestação (PDF – 1 MB).

A PGR diz na manifestação que o pastor é 10 anos mais velho que seu homônimo e que seus números de registro (CPF e RG) são diferentes. A família de Jorge Luis fez um ato em frente ao STF, na capital federal, em 18 de janeiro. Exibia um cartaz citando o erro e que a PGR é favorável à soltura. Para a advogada do pastor, Carolina Barreto, trata-se de um erro “esdrúxulo”. Disse esperar que Alexandre de Moraes revogue a prisão para o pastor tratar de sua saúde. 



Moraes havia negado, em 15 de dezembro de 2023, o pedido de soltura da defesa do Jorge Luis. O ministro citou na decisão as condenações do homônimo por estelionato e receptação. Leia a íntegra da decisão do magistrado (PDF – 181 kB).

Fonte: Poder360



Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem