Main Ad

Zé Haroldo faz apelo à ministra Marina Silva contra ampliação das áreas de conservação em Roraima


“Não posso me omitir diante da preocupação sobre a ampliação das áreas de conservação federal. As políticas para a Amazônia precisam contemplar as pessoas que ali vivem.”


Nesta quarta-feira (30), o deputado federal Zé Haroldo Cathedral (PSD-RR) aproveitou a presença da ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva, na Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados, para pressionar contra a ampliação das áreas de conservação no estado de Roraima.

Na ocasião, o deputado defendeu a exploração do potencial petrolífero na Foz do Amazonas e fez um apelo contra a criação e expansão das áreas de conservação em Roraima. Zé Haroldo Cathedral falou sobre a necessidade do equilíbrio entre a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento econômico da Região. “Como parlamentar eleito por Roraima, não posso me omitir diante da preocupação sobre a ampliação das áreas de conservação federal. As políticas para a Amazônia precisam contemplar as pessoas que ali vivem, observando os aspectos sociais, oferecendo amparo e sustento. Falta uma política estruturante que possa gerar emprego e proteção social à população”, pontuou.

A ministra Marina Silva afirmou que está dialogando com o Governo do estado e demais parlamentares da Bancada sobre o melhor caminho em torno do assunto. Ela defendeu compensações ambientais como alternativa para o desenvolvimento sustentável do Estado. “Estamos trabalhando para que o pagamento de serviços ambientais sejam uma realidade. Para que a regulação do mercado de carbono seja aprovada e como possuem muitos ativos, ainda vão agradecer por ter um número significativo de reservas e áreas de proteção ambiental”, argumentou a ministra.

Marina Silva falou ainda sobre a necessidade de criação de um plano de desenvolvimento sustentável para Roraima. “Precisamos que as vantagens comparativas sejam transformadas em vantagens distributivas. Vocês já distribuem serviços ecossistêmicos e falta o Brasil distribuir orçamento para pagar por esses ativos ambientais. Eu diria que vocês têm um Etnoestado e o plano de Transição Ecológico do ministro Haddad é exatamente nesta direção de buscar novos horizontes e novas maneiras de caminhar.”


Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem