Main Ad

Prefeita de Canoinhas joga livros com conteúdo impróprio no lixo

A prefeita Juliana Maciel, de Canoinhas (SC), fez um vídeo jogando livros no lixo (Foto: Reprodução/Instagram/@julianamaciel_oficial)


Juliana Maciel (PL), prefeita de Canoinhas, no interior de Santa Catarina, publicou um vídeo em suas redes sociais em que aparece jogando livros no lixo e defendendo que outros prefeitos “façam um pente fino” em bibliotecas de suas cidades. Veja acima.

O vídeo foi divulgado no perfil oficial da prefeita, que foi eleita em 2022 pelo PSDB e se filiou ao PL em 2023, na noite de quarta-feira, 17. “Eu jamais jogaria um livro no lixo, mas porcaria numa biblioteca aqui do nosso município não vai ter mais não”, diz ela.

Os livros que aparecem no vídeo são Aparelho Sexual e Cia: Um Guia Inusitado Para Crianças Descoladas (Seguinte, 2018), de Zep e Hélène Bruller, e As Melhores do Analista de Bagé, de Luis Fernando Verissimo (Objetiva, 2007).

O Estadão procurou a prefeitura de Canoinhas, que, em nota, afirmou que “os livros foram retirados da Mundoteca”, iniciativa “idealizada pelo Ministério da Cultura e Governo Federal por meio da FGM Produções e Girassol Incentiva”.

“O projeto foi desenvolvido com recursos do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac), via Lei Rouanet, com patrocínio da empresa WestRock e apoio da Prefeitura de Canoinhas, que cedeu o espaço”, afirma a prefeitura.

A nota diz que os livros “trazem desenhos e textos de cunho sexual” e “não tratam sobre práticas educacionais, muito pelo contrário. E por não condizerem com o que a Secretaria Municipal de Educação preza e ensina às crianças e adolescentes, foram retirados do acervo”.

Já o Ministério da Cultura esclareceu ao Estadão que o projeto Mundoteca foi idealizado pela FGM Produções e “aprovado pelo Ministério da Cultura, por meio da Lei Rouanet, em 2018, e executado entre 2019 a 2023?.

“A unidade de Marcílio Dias, na cidade de Canoinhas, foi inaugurada no dia 19 de novembro de 2022 e gerida pelo projeto por um período de oito meses, como previsto em contrato, não tendo qualquer vínculo com a atual gestão do Governo Federal. Após esse período, o gerenciamento do espaço e de seu acervo foram entregues ao poder executivo municipal”, diz o comunicado.

“Mais uma vez, o governo do PT faz esse tipo de coisa. ‘Bota’ o adolescente, ‘bota’ a criança, induz a coisa que não é dos valores do que a gente acredita, não é o que a família quer que ele aprenda, não é o que realmente uma criança ou até um adolescente precisa ler numa biblioteca”, diz a prefeita no vídeo.

Ela continua: “Aqui em Canoinhas nós jogamos esse tipo de ‘porcaria’ no lixo. Agora, eu quero alertar todos os prefeitos que estão me assistindo. Por favor, se vocês têm uma Mundoteca aí na cidade de vocês, façam que nem eu. Venham, batam, façam um pente fino nesses livros para ver se vocês também não estão sendo enganados mais uma vez por essa política do que a gente não acredita, que não prega valores para as nossas crianças e nossos adolescentes. E façam a limpa aí se vocês têm Mundoteca na cidade de vocês”.

O Ministério da Cultura nega que as obras foram distribuídas para crianças: “Os livros apontados como impróprios para crianças, nunca foram indicados ou emprestados para crianças. O livro Aparelho Sexual e Cia, de Zep e Hélène Bruller, tem indicação para público juvenil e foi emprestado para somente uma pessoa adulta na biblioteca em questão. E o livro As melhores do Analista de Bagé, de Luís Fernando Veríssimo, é recomendado para o público adulto e nunca foi emprestado”.

FONTE: Estadão

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem