Main Ad

Polícia encontra mais de 200 galos e 'ringue' de rinha em fazenda do ex-senador Telmário Mota

Telmário Mota já respondeu a acusações de ter participado de uma rinha de galo em 2005, época em que ainda não era parlamentar, mas foi absolvido - Foto: Reprodução/Youtube/Criatório Rey do Sertão/Arquivo

Uma operação da Polícia Militar encontrou nesta quarta-feira (17) 204 galos na fazenda "Caçada Real", do ex-senador Telmário Mota, localizada na zona Rural de Boa Vista. No local, a PM também localizou um ringue, que possivelmente caracterizava uma rinha de galo. Ele está preso desde o fim do ano passado por suspeita de mandar matar a mãe da própria filha.

Os policiais estiveram na propriedade para combater o crime ambiental e verificar se os animais estavam sendo vítimas de maus-tratos. Ao chegar ao local, o caseiro da fazenda autorizou a entrada dos agentes.

Procurada, a esposa do ex-senador, Suzete Mota, apontada como responsável pela propriedade negou que tivessem galos de rinha no local e disse que os advogados irão adotar as medidas cabíveis, pois, segundo ela, a PM teria invadido a fazenda.

"Por se tratar de um criatório, o que temos lá são aves domesticas, como toda fazenda tem e, de exposição. O que ocorreu foi a invasão de minha residência (fazenda), cortaram a corrente e entraram sem ordem judicial ou autorização", disse.

Operação da Polícia Militar ocorreu na fazenda Caçada Real — Foto: PMRR/Divulgação

Telmário Mota já respondeu a acusações de ter participado de uma rinha de galo em 2005, época em que ainda não era parlamentar, mas foi absolvido pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF).

Os galinheiros estavam sem ventilação e as aves estavam com ferimentos nas asas, hematomas nas coxas e peitos, características de "prática de rinha de galo", segundo a PM. Também foram encontradas 44 esporas de plástico.

Um médico veterinário da PM esteve na propriedade e constatou os maus-tratos as aves. Os animais foram deixados na propriedade, mas sob a tutela do caseiro como fiel depositário.

A Companhia Independente de Policiamento Ambiental (Cipa) lavrou um auto de infração ambiental pela prática de maus-tratos e apreendeu os materiais ilícitos, que também foram entregues para a Femarh.

Fonte: g1 RR

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem