Main Ad

Bares e restaurantes esperam faturamento 7% maior com festas corporativas

As confraternizações de fim de ano têm sido um dos períodos mais rentáveis para o segmento. Ocasião possibilita ainda a contratação de novos profissionais. – Foto: Ascom/Sebrae-RR


Para o os empresários do setor de bares e restaurantes, dezembro é sempre o melhor mês de faturamento, especialmente por conta das festas e confraternizações de fim de ano. “Este período é superinteressante, pois nos permite pagar o 13º salário dos funcionários e garantir uma gordurinha para o início de ano, quando costuma cair um pouco o movimento”, afirma o empresário Thales Furtado, proprietário do Primeiro Bar, eleito por cinco vezes o melhor do ramo em Brasília.

De acordo com a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), a expectativa para o setor é de alta de 7% no faturamento em relação ao mesmo período no ano passado. “Aqui, no Primeiro Bar, se comparar com o mês de novembro, o aumento é de quase 20%”, comenta o empreendedor que já passou pelo Empretec do Sebrae no Distrito Federal. Por isso, para os fins de semana, Thales Furtado contrata mais profissionais para dar conta da demanda. A pesquisa da Abrasel mostra que, assim como o empreendedor brasiliense, 35% das empresas do ramo pretendem contratar funcionários.

Ele conta que neste ano as reservas para confraternizações se concentraram a partir do dia 1º de dezembro e vão até 23 de dezembro. O espaço comporta até 400 pessoas e a cozinha oferece um cardápio que se adapta às expectativas das equipes interessadas em realizar a festa. “Temos pacotes especiais para confraternizações na hora do almoço ou do jantar, além de um com rodízio de petiscos. A grande maioria prefere fazer comanda individual e cada um acerta a sua conta no final”, explica.

“Os restaurantes devem estar preparados para receber um grande número de reservas e pedidos de encomendas, e devem garantir que tenham pessoal e recursos suficientes para lidar com o aumento da demanda. Os donos dos estabelecimentos também devem estar atentos ao menu especial de fim de ano, à limpeza, à decoração e ao ambiente, que devem agradar aos clientes”, aponta o analista de Competitividade do Sebrae Luiz Rebelatto.

Para conquistar o cliente, Thales contou ainda que é importante ter diferentes alternativas para atender o público. Além disso, as redes sociais merecem uma atenção especial. “Mais de 80% das nossas vendas vêm do investimento que fazemos no Instagram e Facebook. Desde o início de novembro, também investimos em um ponto de venda na loja falando sobre as confraternizações”, comenta.

O analista do Sebrae ressalta que o crescimento no faturamento das festas de fim de ano de 2023 ainda pode estar ligado indiretamente ao fim da pandemia.

“Muitas empresas estão ansiosas por comemorar suas realizações com seus funcionários após um período difícil. A importância disso para o fechamento do ano e para o fôlego desse setor é enorme, pois são festas muito lucrativas, que podem ajudar a impulsionar o crescimento econômico.” Luiz Rebelatto, analista de Competitividade do Sebrae.

Pós-venda

O Sebrae orienta que uma das tarefas mais importantes para o setor de bares e restaurantes é preparar análises pós-vendas, que podem auxiliar na avaliação do impacto das festas de confraternização corporativas no faturamento e compreender melhor as preferências dos consumidores. “Esse feedback dos clientes é fundamental para determinar quais opções de menu foram mais populares, com melhor aceitação e quais as áreas que precisam de melhorias. Os restaurantes também podem oferecer descontos e promoções especiais para incentivar os clientes a voltarem no futuro”, destaca Luiz Rebelatto.

Fonte: Roraima em Foco

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem