Main Ad

MP investiga suspeita de irregularidades em construção de condomínio de luxo às margens do rio Branco

Fachada do Residencial Boa Vista, empreendimento às margens do Rio Branco em Boa Vista. — Foto: Yara Ramalho/G1 RR


O Ministério Público de Roraima (MPRR) abriu um procedimento para apurar possíveis irregularidades na construção de um condomínio de luxo às margens do rio Branco, no Centro de Boa Vista.

O procedimento do MPRR tem como base uma denúncia do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), que relatou danos ambientais para a região, uma Área de Preservação Permanente (APP). O local fica onde migrantes foram retirados pela prefeitura de Boa Vista em 2021.

Procurada pela reportagem, a construtora Unipar, responsável pelo empreendimento, informou que não recebeu "qualquer tipo de comunicado" sobre o procedimento. Além disso, ressaltou que o empreendimento foi aprovado por todos os órgãos competentes.

"O empreendimento em edificação foi devidamente aprovado por todos os órgãos públicos competentes, possui as licenças necessárias, inclusive ambientais, e está com sua incorporação imobiliária devidamente registrada. A Construtora Unipar possuí mais de 40 anos de mercado, atuando com profissionalismo, qualidade e respeito a legislação", disse.

O documento do PSOL cita que a área onde o condomínio vai ser construído é um fundo de vale, de acentuado declive, o que levanta "sérias dúvidas sobre a possível solução adotada acerca do esgotamento sanitário de que uma adensada ocupação humana poderia causar no local".

A construção deve ser levantada próximo ao rio Branco e, segundo a denúncia ao MP, existe a previsão para a construção de docas, o que tiraria "a minúscula e insuficiente faixa de mata-ciliar que ainda deixaram" no entorno da área.

A região da construção do condomínio é a mesma onde a Guarda Civil Municipal derrubou a moradia de famílias venezuelanas, em abril de 2021. À época, a prefeitura informou que o caso se tratava de invasão em área de preservação permanente.

"Com o objetivo de apurar possíveis irregularidades na execução da obra, o Ministério Público do Estado de Roraima (MPRR), por meio da 1ª Titularidade da Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente, instaurou procedimento e oficiou os órgãos competentes. O MPRR aguarda retorno, a fim de analisar as informações solicitadas e adotar as medidas cabíveis", informou o órgão.

No documento ao Ministério Público, o partido alegou ainda a largura do Rio Branco ultrapassa mil metros o que, seguindo os critérios de faixa marginal do novo Código Florestal, impediria a retirada de cobertura vegetal da área e também o "licenciamento para qualquer empreendimento de interesse unicamente privado".

De acordo com o Código Florestal, caso as obras sejam feitas às margens de cursos d'água naturais, a distância permitida é de:

  • 30 metros para os cursos d’água de menos de 10 metros;
  • 50 metros para os cursos d'água que tenham de 10 a 50 metros de largura;
  • 100 metros para os cursos d'água que tenham de 50 a 200 metros de largura;
  • 200 metros para os cursos d'água que tenham de 200 a 600 metros de largura;
  • 500 metros para os cursos d'água que tenham largura superior a 600 metros.

Procurada pelo g1, a prefeitura de Boa Vista, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) informou que a construção possui autorização de instalação emitida com base em vários pareceres ambientais feitos por equipes de inspetores e analistas ambientais.

De acordo com a secretaria, a área é consolidada fora das faixas marginais de proteção dos igarapés, das lagoas e dos rios, do Patrimônio Ambiental.

Fonte: G1


Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem